Archive for PCs

WhatsApp na tela do seu computador… Simples, rápido e muito interativo.

instalar-whatsapp-pc

O WhatsApp deixou de ser um serviço exclusivo de dispositivos móveis, pois entrou em funcionamento a versão do aplicativo para web – com uso exclusivo no navegador Chrome. Acesse o site ou clica abaixo.

clique

Para se logar é preciso ter a versão mais recente do WhatsApp instalada no seu aparelho, e talvez a atualização demore um pouco para chegar até você. Em seguida, entre no site e um QR Code será apresentado.

whatsapp-PC 

Se o seu aplicativo estiver atualizado, pressione os três pontinhos no canto superior e entre em WhatsApp Web. Em seguida, mire a câmera do celular na tela do computador e encaixe o QR Code no espaço marcado na tela do smartphone. Se tudo for feito corretamente, o site mostrará seus contatos no WhatsApp automaticamente.

Aproveite mais uma forma de interagir e se relacionar com as pessoas.

Fonte:[Olhar Digital]

Saiba as origens de algumas palavras no meio tecnológico…

focado-em-ti

 

Parece que não, mas muitos termos tecnológicos possuem origens totalmente diferentes da área de tecnologia. O Site Gizmodo citou alguns…

Veja os mais conhecidos e suas origens…

Bluetooth

No século 10, o rei escandinavo Harald Gormsson ficou conhecido por unir toda a Escandinávia por seu dente. Relatos afirmam que o dente era tão podre, que chegava a ser azul, o que tornou o rei conhecido e fez ele “cair no gosto do povo”. Assim, o monarca recebeu o apelido de “blue tooth” (em inglês, “dente azul”) e mais tarde, foi escolhido por Jim Kardach, desenvolvedor da Intel, para nomear a tecnologia sem fio da empresa.

Spam

Você pode não conhecer, mas durante anos, Spam era o nome de uma marca de carne enlatada que era encontrada facilmente, mas não era muito apreciada pela maioria das pessoas. A AOL, Prodigy e MUD, eles usavam a palavra “spam” em chats para se referir a pessoas que criavam macros para repetir a mesma coisa diversas vezes, entupindo as salas de bate-papo. Foi só mais tarde, nos anos 90, que os usuários resolveram adotar o termo para designar e-mails indesejados.

Google

O nome “Google” vai muito além de um conglomerado de serviços, aplicativos e produtos. Ele deriva do termo matemático “googol”, que responde por um número representado pelo numeral um seguido de 100 zeros. Quando Larry Page e Sergey Brin criaram a empresa, a ideia era uma metáfora na qual o buscador fosse capaz de armazenar uma quantidade aparentemente infinita de informações na internet.

Hack

Muito antes de surgirem os hackers, a palavra “hack” significava, em inglês, durante o ano 1200, um corte bruso ou truque inteligente. Foi só em 1975 que a palavra “hacker” apareceu no The Jargon File, um glossário para programadores. O termo possuía oito definições, sendo que o último designava alguém que fosse um “intrometido malicioso que tenta descobrir informações confidenciais”.

Cookies

A origem do termo cookies na tecnologia é uma metáfora e tanto. Para quem não sabe, “cookies” responde pelo conjunto de informações armazenadas pelo navegador, como senhas e nomes de usuários. Quando programadores resolveram achar um nome para designar esses dados, eles tiveram a ideia de compará-los com biscoitos da sorte chineses. Isso porque enquanto o biscoito salva fortunas dentro de seus conselhos, o programa também salva informações muito valiosas.

Bug

Quem sabe falar inglês sabe que “bug” significa “inseto”. E parece que foi mesmo um inseto que foi responsável pelo surgimento no termo na tecnologia. Isso porque uma teoria de 1947 afirma que quando Grace Hopper, pioneira da programação, estava trabalhando no computador Harvard Mark II, seu trabalho foi suspenso pela presença de uma mariposa que ficou presa no relay, um dos componentes do equipamento. O computador teve de ser reiniciado e daí, surgiu o termo “debugging”.

Fonte: [Olhar Digital]

5 filmes sobre Tecnologia. Vale muito a pena assistir…

5 filmes sobre tecnologia.

 

Que tal  divertir e aprender assistindo um bom filme?  E o melhor falando de tecnologia.

Confira abaixo uma série de longas-metragens, clássicos e modernos, que tem a tecnologia como temática:

  1. Piratas do Vale do Silício (Pirates of Silicon Valley,1999)
    Em um dos maiores clássicos da década de 1999, é possível entender um pouco sobre o nascimento e a rivalidade histórica entre Apple e Microsoft, ao mesmo tempo que apresentam o crescimento e popularização da computação pessoal como resultado desta competição. Vale muito a pena assistir…
  2. Matrix (1999)
    Não foi o primeiro filme a mostrar um futuro onde as máquinas se levantam e dominam a humanidade, mas conseguiu fazer de uma forma diferente, criando um mundo alternativo onde os humanos vivem em uma falsa realidade. Um dos maiores clássicos do cinema com todo o mérito, e você provavelmente já assistiu a este filme.
  3. A rede social (The Social Network, 2010)
    Uma história romantizada sobre a criação do Facebook, a maior rede social do mundo, que conta a origem das ideias de Mark Zuckerberg, fundador da empresa, e sua visão empreendedora, mas também mostra a parte suja do mundo dos negócios.
  4. Os estagiários (The Internship, 2013)
    Como seria trabalhar no Google? E como seria conseguir uma vaga de estágio no Google depois de seus 30 anos, quando nada mais na sua vida deu certo? O filme, uma comédia tranquila, tenta responder a estas questões de forma bem humorada, sempre com a empresa de buscas como plano de fundo. Ótimo filme…
  5. Jobs (2013)
    Ashton Kutcher se parece muito com Steve Jobs. Muito mesmo. A obra, que tenta retratar a trajetória do executivo fundador da Apple e sua ascensão a um status de quase-deus entre os adoradores da companhia, sofreu algumas críticas mas retrata algumas passagens importantes da vida de Jobs e sua visão de mundo.

 

Fonte: [Olhar Digital]
 

Veja algumas dicas que podem melhorar ou não sua rede Wi-FI

Wi-Fi-FocadoemTI

O que atrapalha o sinal do Wi-Fi em casa?
Vários fatores, desde obstáculos físicos (como paredes e colunas) a outros invisíveis (ondas emitidas por outros aparelhos). “Toda rede sem fio é uma rede de rádio. Um sinal é transmitido pela sua casa e essas ondas vão sendo espalhadas pelos cômodos”, explica Rodrigo Filev, professor de Ciência da Computação do Centro Universitário da FEI.

Mudar o roteador de lugar pode intensificar o sinal do Wi-Fi?

Sim, porque o sinal emitido pelo roteador funciona como o de um rádio, é influenciado por obstáculos físicos. “Um carro ao entrar em um túnel perde o sinal do rádio, isso também acontece com o Wi-Fi”, explica Filev.

Telefone sem fio pode interferir no sinal?
Sim, se o telefone funcionar em uma faixa de frequência semelhante ou igual à do roteador, que é a de 2,4 GHz, diz Rodrigo Filev, professor da FEI. É como no caso de um rádio comum: uma estação “pirata” atrapalha a regular se estão em “sintonias” iguais ou próximas.

Meu micro-ondas faz o sinal ficar ruim?
Sim, o micro-ondas pode causar interferência no sinal de rádio emitido pelo Wi-Fi. Isso porque ele opera na mesma frequência que o roteador, a faixa de 2,4 Ghz. Essas ondas que o equipamento emite ao esquentar a comida podem “vazar”, ainda que bem pouco, para fora do equipamento e ajudam a “espalhar” as ondas do Wi-Fi.

Colocar senha no Wi-Fi melhora o sinal da rede?
Não, o sinal emitido será sempre o mesmo, independente da quantidade de dispositivos conectados à rede.

Trocar a antena do meu roteador pode ajudar no sinal?
Nem sempre. A simples troca da antena por uma de maior alcance de transmissão pode melhorar o sinal, mas ele ficará sujeito aos mesmos obstáculos que já existiam na casa, como paredes e colunas.

Meu roteador é velho, será por isso que o Wi-Fi anda ruim?
Não, porque o equipamento mantém sempre a mesma potência de transmissão, independente do tempo de uso. O que pode atrapalhar o sinal é o acúmulo de sujeira na antena ou o posicionamento incorreto dela.

Um secador de cabelo ou uma máquina de lavar atrapalham o Wi-Fi?
Sim, é possível que equipamentos dotados de motores elétricos e conectados na mesma rede de energia na casa interferiram no sinal do Wi-Fi, diz Filev.

Colocar uma forma de bolo perto do roteador ou notebook aumenta o sinal?
Nem sempre. As antenas dos roteadores são projetadas para emitir um sinal uniforme e em todas as direções e, ao usar a forma, ele vai ser “rebatido” para um local específico da casa.

Muitos dispositivos conectados ao Wi-Fi atrapalham o sinal?
Não, mesmo que vários dispositivos, como tablets, smartphones e computadores, estejam conectados a uma mesma rede Wi-Fi, a intensidade do sinal emitida pelo roteador não é alterada. O que pode acontecer é o tráfego de dados ficarem mais lento na rede.

Outros roteadores de casas próximas à minha atrapalham minha rede?
Sim, o problema pode ocorrer principalmente em condomínios e prédios. Se muitos roteadores estiverem emitindo sinal em canais idênticos, eles vão interferir uns dos outros.

Usar um roteador com três antenas pode ajudar?
Sim, um roteador com mais antenas pode ajudar na propagação do sinal de forma mais abrangente, diz Paiva, da D-Link. A antena extra, no entanto, não implica diretamente no maior alcance do sinal a locais mais distantes da residência. “O Wi-Fi pode continuar com dificuldade de ultrapassar obstáculos físicos, dependendo de como for a casa.”

Usar um aparelho repetidor de sinal pode ajudar a aumentar o alcance do sinal?
Sim, a função desses dispositivos é captar a onda emitida pelo roteador e retransmiti-la para locais mais distantes da casa, onde você normalmente não consegue usar a rede sem fio. Segundo Paiva, existem aparelhos que desempenham essa função única e outros, como o segundo roteador, com mais recursos.

Atualizar o software do roteador pode ajudar a melhorar o Wi-Fi?
Não necessariamente, pois algumas atualizações de firmware (software interno do roteador) feitas pelas fabricantes servem apenas para corrigir alguns erros e implementar funcionalidades novas, diz Paiva.

 

Veja mais AQUI

Cinco países onde o Google quase não existe…

google-Focadoemti

A liderança do Google a nível global no campo das buscas é avassalador. O Google é de longe o buscador e o site mais acessado do mundo, mais por incrível que pareça existe países que praticamente não usa o buscador. Veja abaixo os países e seus principais navegadores.

  1. RÚSSIA: O buscador que domina por lá com mais de 46% é o Yandex.
  2. REPÚBLICA CHECA:Seznam é outro nome desconhecido por aqui, mas na República Checa é o buscador preferido dos internautas.
  3. CHINA: O Baidu  é a página mais visitada da China, onde conta com 60% das buscas..
  4. CORÉIA DO SUL: Por lá quem domina é o Naver,  60% das buscas geradas naquele país são feita nesse buscador.
  5. JAPÃO: Ali o buscador é o Yahoo Japão, que dispõe de mais de 50% do mercado de buscas no Japão.

Só para lembrar no Brasil o Google domina 90% das buscas e é o site mais acessado junto com o Facebook e Youtube.

Fonte:[Mdig]

Os prejuízos que a tecnologia pode causar às crianças que usam em excesso

 

crianca-Ti

O avanço da tecnologia e a facilidade de acesso aos dispositivos móveis e à internet têm mudado radicalmente a forma das pessoas viverem e se relacionarem.

As crianças não são uma exceção a este mundo informatizado no qual estamos vivendo. Os nascidos na chamada Geração Z estão aprendendo a conviver desde muito cedo com tablets, notebooks, smartphones e, obviamente, também estão interagindo de forma diferente com o mundo. Isto tem gerado muitas discussões sobre a influência da tecnologia na infância. Muitos estudos são realizados em torno da temática e médicos, psicólogos e educadores se mostram cada vez mais preocupados sobre ela.

Diante deste cenário, o site Blue Bus divulgou um infográfico baseado em uma pesquisa realizada pela AVG Tecnologies que entrevistou 6 mil mães de 10 países, incluindo o Brasil, e revelou que dentre as crianças com idade entre 3 e 5 anos:

  • 66% conseguem operar jogos de computador;
  • 47% sabem utilizar um smartphone;
  • 62% ligam o computador;
  • 57% sabem utilizar pelo menos um aplicativo no smartphone.

crianca-Ti

Dentre as crianças entre 6 e 9 anos, a pesquisa ainda revelou que:

  • 89% das crianças nesta faixa etária utilizam internet. No Brasil, este índice sobe para 97%;
  • 7% passam mais de 10 horas conectadas diariamente. A grande maioria fica online por aproximadamente 5 horas;
  • 46% delas estão cadastradas em redes sociais infantis e 16% encontram-se no Facebook, cuja idade mínima permitida para participar é 13 anos. No Brasil este percentual é bem maior: 54% das crianças nesta faixa etária possuem uma conta na rede social.

Com relação às mães entrevistadas, a pesquisa mostrou que 64% delas utilizam controle dos pais no computador para saber o que seus filhos acessam e 47% acreditam que o uso da tecnologia é extremamente benéfico para as crianças, ajudando-as a desenvolver habilidades motoras e a criatividade.

Um estudo realizado pela agência de saúde pública britânica mostrou que quando as crianças passam muito tempo na internet elas podem desenvolver problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade e agressividade. Além destes, outros problemas também são apontados:

  • Torcicolo causada por horas excessivas digitando mensagens de texto no smartphone;
  • Inchaço, dor e dormência nos dedos causados por digitação repetitiva;
  • Dores nos ombros e nas costas por utilização excessiva de tablets.

Para lidar com o problema, a pesquisa apresenta dicas que não impedem que as crianças utilizem os dispositivos eletrônicos, mas orienta os pais sobre como controlar este uso e evitar que possíveis danos sejam causados a elas. Confira alguns deles:

  • Mantenha o computador em local aberto onde as atividades realizadas nele possam ser acompanhadas;
  • Instale em tablets e smartphones aplicativos que possuam controle de pais e que tenham finalidades pedagógicas;
  • Estabeleça com seus filhos limites de tempo diário para utilizar a internet;
  • Mantenha as crianças fora das redes sociais e de sites adultos pelo menos até os 13 anos de idade;
  • Crie uma pasta de sites aprovados para crianças para que elas possam acessar por conta própria.

Medidas de segurança simples podem evitar que sua família seja vítima de crimes comuns que acontecem diariamente na internet, além de evitar que seus filhos possam eventualmente vir a ter problemas de saúde no futuro.

Se você se interessou pelo assunto e quer conferir a matéria completa, basta clicar aqui.

Fonte: [Canaltech]

A evolução do computador – 15 de Agosto – dia da Informática

ENIAC

ENIAC

Há exatos 68 anos surgia o ENIAC, um dos computadores mais importantes para a história da informática, criado em 1946. Sua relevância foi tão grande que a data de 15 de agosto celebra o Dia da Informática.

Acrônimo de Computador e Integrador Numérico Eletrônico, o ENIAC foi desenvolvido por dois cientistas norte-americanos chamados John, o Mauchly e o Presper Eckert, ambos da Universidade da Pensilvânia.

O projeto começou em 1943 e a ideia era que o computador fosse usado para fins militares pelo Exército dos Estados Unidos, que estava envolvido com a Segunda Guerra Mundial.

Era um nível tecnológico inimaginável para muita gente. Funcionando a uma velocidade 1 mil vezes superior ao alcançado pelas máquinas da época, o ENIAC ganhou até o apelido de “cérebro gigante”.

Hoje, é claro, os 5 mil cálculos que ele fazia por segundo não são sequer comparáveis aos quatrilhões de operações que o supercomputador chinês Tianhe-2 alcança no mesmo tempo – é o mais potente do mundo, atualmente.

Tianhe-2

Tianhe-2

É importante observar, porém, que o ENIAC não é necessariamente o primeiro computador da história. O alemão Konrad Zuse desenvolveu, em 1936, o Z1, primeiro computador eletromecânico da história, que conseguia realizar cálculos e exibir a solução em uma fita perfurada. A máquina era gigantesca e pesava quase 500 kg e fazia apenas adições, subtrações, multiplicações e divisões, além de cálculo de raiz quadrada. Pouco depois, ele criou o Z3, a primeira máquina totalmente automática e programável.

Por muitos anos, a “paternidade” do computador ficou com John Mauchly and John Eckert, o que foi contestado ao longo dos anos. Com a controvérsia, o computador foi considerada uma invenção de domínio público.

LEIA MAIS AQUI

 

Fonte: [Olhar Digital]

 

Erros fatais ao escolher o nome da sua empresa…

A consequência de um nome mal escolhido pode render dores de cabeça se você não verificar se sua marca está de acordo com especificações da Junta Comercial, por exemplo. Ao se arrepender da escolha, é preciso dinheiro e tempo para promover outro nome. Confira abaixo, oito erros que empreendedores cometem ao nomear sua empresa.

no-error

  • Não se planejar

“É preciso tomar o tempo necessário para escolher o nome. Toda a reputação vai estar em volta do nome e da marca escolhida”, afirma Giancarlo Greco, professor de marketing do Insper. Ele ainda recomenda que, se tiver condições, o ideal é buscar ajuda de um profissional que possa auxiliar no ponto de vista da criatividade e levantar as marcas existentes no mercado.

  • Escolher nomes longos

“O nome tem que ser fácil de gravar como Nike, Twitter e Apple”, diz Mafra. Para ele, nomes longos e difíceis de serem escritos podem ser inconvenientes durante uma reunião de negócios, por exemplo, em que os prováveis fornecedores ficam com medo de pronunciar o nome de maneira incorreta.

  • Ter nome muito parecido com o do concorrente

Para Greco, o nome é que ajudará sua empresa a se destacar no mercado, por isso, um nome muito similar ao do concorrente pode ser uma estratégia de querer se aproximar do líder, mas não é vantajoso. “Você acaba confundindo os clientes”, explica.

  • Recorrer a palavras muito genéricas ou específicas

Urdan explica que nomes muito óbvios, que sintetizam o serviço ou produto da empresa, podem ser uma saída fácil inicialmente. Afinal, esta estratégia ajuda a definir melhor o que a empresa faz através do nome. Escolher palavras muito genéricas ou muito específicas e regionais pode ser um erro, já que sua empresa fica sem uma marca bem definida.

  • Associar ao próprio nome

“Isso é uma faca de dois gumes, quando você associa seu nome à empresa, fica para sempre. E, se amanhã o empreendedor abrir outro negócio, corre o risco de ser associado ao anterior”, afirma Mafra.

  • Recorrer a palavras de outros idiomas

Neste caso, o erro não é usar termos em inglês ou de outras línguas estrangeiras, e sim, não se preocupar com o sentido da palavra e se será de fácil entendimento e pronúncia do público. “Se as palavras já foram incorporadas no nosso vocabulário, não tem problema. Mas se a recepcionista de sua empresa tem problema em pronunciar o nome, é preciso cuidado”, afirma Greco.

  • Ignorar a sonoridade

“Há propriedades fonéticas que são bem apropriadas para determinados segmentos”, afirma Urdan. Por isso, antes de nomear sua empresa, ele recomenda que empreendedores pesquisem sobre quais vogais e consoantes são recomendadas para determinados mercados. Para Greco, um nome com sonoridade ruim não associa simpatia aos clientes e fornecedores.

  • Abusar de siglas

Para os professores, as siglas podem ser mais fáceis, mas é importante que signifiquem algo. “De alguma forma, você tem que saber qual o serviço ou produto que esta sigla traduz”, explica Greco.

 Fonte: [Exame]

Sabe como economizar a bateria do seu celular? Veja as dicas…

bat01

Quem usa smartphone sabe que um dos pontos fracos do aparelho, independente da marca, é a duração da bateria. Isso ocorre justamente porque as funções ”inteligentes” consomem a energia do celular para funcionarem. Mas alguns ajustes pequenos nos smartphones podem fazer a bateria durar mais nos sistemas Android e iOS; veja a seguir.

  • Siga as instruções de recarga da fabricante do aparelho: Ao comprar seu smartphone, separe um tempinho para ler o manual de instruções e, principalmente, saber o que a fabricante indica sobre a recarga. Seguir a recomendação da empresa pode preservar por mais tempo a vida útil da bateria do smartphone.
  • Android tem configuração automática de economia de bateria: O sistema móvel do Google tem o ajuste automático de economia de bateria. Ele pode variar de acordo com a marca do smartphone. Mas em geral é encontrado em Configurações > Economia de Bateria. Assim, o aparelho coloca funções que consomem bateria em espera quando não utilizadas, elas são automaticamente ativadas quando a pessoa volta a usar o aparelho. 
  • Use o modo avião em locais onde o sinal é ruim: Há locais onde o sinal da rede celular falha ou é inexistente. Pode ser dentro do avião, viajando de carro para algum lugar remoto ou mesmo no metrô (estações em algumas cidades contam com antenas de operadoras, mas não é regra). Nesses casos, ativar o modo avião impede que o celular fique procurando a rede sem sucesso e gaste energia. No Android, em Configurações, ative o Modo Offline, que desliga as conexões e redes. Outra forma de acessar a função é apertar por alguns segundo o botão ligar/desligar. No iOS, vá em Ajustes e ative o modo Avião
  • Desligue os aplicativos que não está usando: É normal acessarmos um aplicativo atrás do outro no smartphone, sem encerrá-los (ao contrário do hábito comum em computadores, que é o de fecharmos os programas que não estão mais em uso). Então, lembre-se de encerrar os aplicativos depois de usá-los. No Android, aperte o botão central por alguns segundos, acesse a lista do que está aberto pelo gerenciador de tarefas e peça para ”encerrar tudo”. No iOS, aperte rápido duas vezes o botão Home para ver os últimos aplicativos usados, depois apoie o dedo sobre o ícone de um deles até que comecem a ”tremer” na tela. Aperte então o ícone de fechar Reprodução.
  • Desative notificações automáticas: Uma função comum nos smartphones é a de notificações automáticas (ou via push). O aparelho gasta energia ao buscar a atualização delas periodicamente. Para economizar a bateria do smartphone, você pode desativar as notificações menos importantes (ou até todas elas, se assim preferir). No Android, é possível desativar a sincronização automática de dados dos aplicativos (não as notificações) e a função de dados em 2º plano, que fica em Configurações > Contas e sincronização. No iOS, toda vez que você instala um aplicativo, ele pergunta se você permite notificações automáticas. Depois para alterar isso, vá em Ajustes, localize o aplicativo e desative as notificações. Também é possível retirar apps da Central de Notificações em Ajustes > Notificações
  • Desligue o 3G quando não está em uso: Um dos vilões de consumo da bateria do celular é justamente a rede de internet móvel. Com ela desligada, o smartphone ”perde a graça”, sem dúvida… Mas se você tem acesso a uma rede Wi-Fi, lembre-se de desabilitar o 3G quando a conexão sem fio estiver ativada Getty. Android, isso pode ser feito em Configurações > Conexões sem fio e rede > Redes móveis e desmarque a caixa. No iOS, vá em Ajustes > Geral > Rede e desative o 3G.
  • Desligue o Wi-Fi quando não está em uso: Apesar de ajudar a economizar bateria enquanto estamos com o 3G desligado, o Wi-Fi também leva embora parte da bateria do celular, principalmente quando está ativado com nenhuma rede por perto. Se não está usando a conexão sem fio, melhor desabilitá-la. No Android, abra a central de notificações (basta apoiar o dedo no menu superior e arrastá-lo para baixo) e desmarque o ícone de Wi-Fi. No iPhone, vá em Ajustes > Wi-Fi. 
  • Desligue o Bluetooth quando não está em uso: Mesmo quando você não está realizando alguma tarefa que dependa do Bluetooth, o smartphone fica procurando constantemente os dispositivos perto dele. E a bateria vai embora… No Android, abra a central de notificações (basta apoiar o dedo no menu superior e arrastá-lo para baixo) e desmarque o ícone de Bluetooth. No iOS, vá em Ajustes > Geral > Bluetooth (vale lembrar: quando você ativa o Acesso Pessoal, que compartilha a internet do iPhone, o Bluetooth poderá ser ligado).
  • Diminua o brilho da tela: Outro grande consumidor de bateria nos smartphones é o brilho da tela; quanto maior, mais energia o smartphone precisa gastar para manter a tela iluminada. Portanto, procure baixar a intensidade do brilho sempre que possível. No Android, vá em Configurações > Visualização > Brilho. Ainda em visualização, há a opção Ajuste Automático energia; deixe a opção marcada para poupar bateria. No iOS, vá em Ajustes > Brilho e diminua a intensidade. 
  • Diminua o tempo para bloqueio da tela: Se o brilho da tela suga a bateria do smartphone, o tempo que ela fica ligada, consequentemente, também. Portanto, quando mais rápido a tela entrar em espera, melhor para economizar energia. No Android, vá em Configurações > Visualização > Duração da luz de fundo e escolha a menor duração. No iOS, vá em Ajustes > Geral > Bloqueio automático e diminua o tempo. 
  • Selecione os aplicativos que acessam geolocalização: Assim como no caso das notificações automáticas, o serviço de localização é ativado ou não quando o usuário instala um aplicativo que usa o recurso (como Foursquare, Facebook, Mapas). É bom deixar ativado o recurso apenas para os apps essenciais para você. No Android, abra a central de notificações (basta apoiar o dedo no menu superior e arrastá-lo para baixo) e desmarque o ícone de GPS. No iOS, Vá em Ajustes > Serviços de Localização e deixe o recurso ativado para só os aplicativos que você usa mais.
  • Modo silencioso, só quando necessário: O modo silencioso, que faz o smartphone vibrar, gasta mais energia do que o som de toque. Então, é bom utilizar o recurso só quando precisar mesmo. No Android, para desativar o modo silencioso, apoie o dedo por alguns segundos no botão liga/desliga e desabilite a opção. No iOS, vá em Ajustes > Sons > Vibrar e desabilite o recurso.
  • Use aplicativos para gerenciar bateria: Existem aplicativos que auxiliam no gerenciamento de bateria e identificam programas que estão abertos (mesmo que você ache que já tenha fechado). No Android, há o Advanced Task Killer, da ReChild. No iOS, há o Battery Doctor, que mostra quanto tempo você ainda tem de bateria para cada recurso (horas de conversação em 2G, usando Wi-Fi, ouvindo músicas, etc.)

Fonte: [Uol]

Entenda um pouco sobre aplicações de Rede, o que esta por trás da internet…

FocadoemTI

As aplicações de rede são a “razão de ser” da internet, permitindo que os usuários possam fazer coisas úteis e interessantes na rede. Sem as aplicações, a internet não teria sentido.
Podemos definir Aplicações de Redes dizendo que são programas de aplicações típicas da internet, exemplificado como o FTP, E-mail, Chat entre tantos outros. Esses programas de aplicações se comunicam entre si, trocando mensagem ou arquivos através da rede e de canais lógicos oferecidos pelos protocolos TCP/IP.
Os protocolos de aplicação são usados para definir os processos da aplicação, em particular os tipos de mensagens trocadas, a sintaxe e a semântica das mensagens alem das regras de como um processo envia ou responde uma mensagem.
Os protocolos de aplicação representa uma parte das aplicações de rede, pois cada aplicação atende uma demanda, podemos citar o WWW, que permite obterem documentos da web, usando algumas componentes como o HTML, HTTP e SMTP.
Uma aplicação de rede normalmente tem duas partes um lado cliente e um lado servidor que se comunica entre si.
Os dois processos se comunicam através do envio e recebimento de mensagem através de mecanismos chamados portas (sockets). Essas portas são a implementação dos protocolos de transportes da internet TCP e UDP. Estabelecendo um canal de comunicação lógica para a transferência de mensagem porta-a-porta entre os processos de aplicação rodando em dois computadores remotos.
Para que um processo em um computador possa enviar uma mensagem a um computador remoto ele deve endereçar quem vai receber a mensagem, informado o nome ou IP da maquina de destino, o numero da porta do processo do lado do receptor.
A escolha do tipo de serviço de transporte (UDP e TCP) depende do tipo de serviço que a aplicação vai necessitar. Levando em consideração, quanto a perda de dados, quanto aos requisitos temporários ou ainda quanto a largura de banda.

Para atender a estes requisitos, os dois protocolos de transporte da internet oferecem as seguintes facilidades:
TCP: serviço orientado a conexão, transporte confiável, controle de fluxo, controle de congestionamento e não prevê garantias temporárias ou de banda mínima.
UDP:Transferência de dados não confiável e não prevê abertura de conexão, confiabilidade, controle de fluxo, controle de congestionamento, garantias temporárias ou de banda mínima.
As aplicações WWW permite aos usuários obterem documentos ou paginas web. As paginas Web consiste de objetos podem ser arquivos, imagens, clipe de áudio ou vídeo, etc.
Os protocolos HTTP definem os navegadores Web (Cliente) requisitam páginas de servidores Web. Digamos que o usuário digite um site no browser essa aquisição HTTP e enviada para o servidor Web, onde o servidor recebe a aquisição e responde com uma mensagem HTTP contendo os objetos solicitados.

Aplicação de transferência de arquivos

Quando se fala em transferência de dados, FTP é o principal protocolo para transferir arquivos de um computador para outro, onde o usuário faz a transferência de arquivos de um computador remoto para um computador local e vice-versa. Muito usado para colocar um site na internet, ou seja, quando se tem um site pronto em seu computador, seja em HTML, PHP, ou outras, se usa o FTP para fazer o upload desses arquivos para um servidor na web.
Para isso o usuário deve oferecer sua identificação, nome e senha, seu domino e a porta, para fazer a transferência dos arquivos, contando com um software de FTP é simples fazer esse processo, e com isso o usuário esta realizando uma transferência de arquivos usado o FTP.
Os protocolos FTP, assim como o HTTP, roda sobre o TCP. Sendo que o FTP usa duas portas paralelas TCP para transferir arquivos: uma para controle e outra para a transferência de dados.
O protocolo SMTP usa serviço de transferência de dados confiável do TCP para transferir uma mensagem desde o remetente ate a caixa postal do destinatário. É o protocolo mais importante para o funcionamento do correio eletrônico.

Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers